Mulher olhando roupas em shopping
Franquias 26/01/2024

Royalties de franquias: quanto custam? Eles são obrigatórios? Entenda!

Compartilhar

Obter uma franquia é um grande passo para um varejista e empreendedor. Afinal, a marca é reconhecida regional, nacional ou até internacionalmente, facilitando a entrada no mercado. Só que para iniciar as atividades, é preciso seguir alguns passos, como pagar taxas e royalties de franquias.

A atratividade desse tipo de negócio é comprovada em números divulgados regularmente pela ABF, Associação Brasileira de Franchising. E eles apontam que esse mercado continua em expansão.

Só no primeiro trimestre de 2023, por exemplo, a receita do setor cresceu 15% em comparação com o mesmo período do ano anterior. E o melhor é que houve aumento em todos os segmentos, como Hotelaria e Turismo, Alimentação, Moda, Beleza e Bem-estar. 

Porém, para obter sucesso ao longo dos anos, é necessário cumprir obrigações estipuladas em contrato com a rede franqueadora. O funcionamento de uma franquia segue diversas normas, que são reguladas pela chamada Lei das Franquias, e as informações sobre a taxa de royalties estão descritas lá.

Para facilitar sua pesquisa, trouxemos tudo o que você precisa saber neste texto: o que são royalties de franquias, como funcionam, como são cobrados, seus respectivos valores e se eles são obrigatórios para todos os franqueados. 

Boa leitura!

O que são royalties de franquias?

Os royalties são valores pagos pelo direito de uso de algum bem, serviço ou propriedade intelectual. Logo, os royalties de franquias são os investimentos, geralmente mensais, realizados pelo franqueado para que ele possa usar a marca e usufruir de seus benefícios.

A Lei de Franquias define os royalties como uma “remuneração periódica pelo uso do sistema, da marca ou em troca dos serviços efetivamente prestados pelo franqueador ao franqueado”.

Afinal, a empresa já está consolidada no mercado e grande parte do caminho de sucesso já foi percorrido antes de abrir novas unidades por meio de franquias. Assim, cobra-se um valor pela licença de uso da marca e todo seu suporte ao longo da parceria.

Essas prestações englobam a permissão de utilizar, por exemplo:

  • identidade visual da marca;
  • divulgação;
  • ambientação das lojas;
  • modelo de gestão e fluxo operacional;
  • processos pré-estabelecidos;
  • todo o conhecimento (know-how) da empresa;
  • entre outros.

Isso porque quando o franqueado obtém uma ou mais unidades da rede, é indispensável seguir todo um padrão na loja, no atendimento e na qualidade dos produtos oferecidos.

Isso representa que ele usará um modelo pronto, que já teve sucesso comprovado. E, por isso, o franqueado desembolsa um valor mensal para usufruir de tudo, inclusive do suporte oferecido pela rede.

Taxa de royalties x Taxa de franquia

Se você ainda confunde esses termos e acha que querem dizer a mesma coisa, saiba que são bem diferentes.

A taxa de franquia é o valor pago no início do contrato com a marca, sendo feito apenas uma única vez.

O objetivo dessa arrecadação é investir em treinamentos iniciais, suporte da rede ao franqueado e orientações necessárias para iniciar e dar prosseguimento às atividades, seguindo os padrões obrigatórios.

Aprenda também: Como deve ser o relacionamento entre franqueado e franqueador

Como funcionam os royalties de franquias?

Os royalties de franquias funcionam como prestações periódicas, que podem ser cobradas mensalmente ou a cada trimestre, semestre ou ano. De modo geral, são calculados e apresentados já na COF, Circular de Oferta da Franquia, documento que registra todos os direitos, deveres e obrigações do franqueado e do franqueador.

Só que, na verdade, não existe na Lei das Franquias uma regra que determine quais tipos de royalties podem ser cobrados, seus valores, critérios de apuração, como são recebidos, base de cálculo, etc.

O que existe é a obrigação de inserir todos os valores das taxas cobradas nesse documento, como o pagamento de royalties, taxa de franquia, investimento inicial, entre outros.

Essa taxa dos royalties, portanto, deve ser apresentada na COF junto ao método de cálculo utilizado e à periodicidade do pagamento para que o potencial franqueado avalie se determinada franquia é mesmo um bom negócio para ele. 

E mais: o preço cobrado deve cobrir todos os gastos que a franqueadora tem com a licença de uso da marca e o suporte oferecido, sem se esquecer de sua margem de lucro.

Leia também: Franquia unitária ou master? Como escolher o melhor modelo

É obrigatório pagar a taxa de royalties?

Apesar dos valores representarem uma remuneração à rede pelo uso da marca e acesso ao modelo de negócio e aos treinamentos, não é obrigatória a cobrança de royalties

A Lei das Franquias é bem flexível nesse quesito. Esse pagamento é determinado pelo franqueador.

Logo, é fácil encontrar marcas que não cobrem essa taxa. Um exemplo é a franquia das Havaianas que, de acordo com os dados na ABF, não tem esse tipo de cobrança.

A decisão pela existência ou não desse valor é baseada em diversos aspectos, como objetivos da rede de franquias, seu planejamento estratégico e questões tributárias.

Em alguns casos, esse pagamento se torna parte da principal fonte de remuneração da marca e, por isso, é exigido.

Como são cobrados os royalties de franquias?

A cobrança, o recolhimento do valor e o uso dos recursos obtidos dessa e toda qualquer taxa é de responsabilidade do franqueador. Sendo assim, ele deve inserir na COF e no contrato as informações de como são cobrados o royalties de franquias:

  • valor;
  • base de cálculo;
  • periodicidade;
  • forma de pagamento.

Veja abaixo quais são as bases de cálculo utilizadas para chegar ao percentual de pagamento.

Qual o valor de royalties de franquias?

Não existe um valor único dos royalties de franquias. O que existem são variadas formas de cálculo que são definidas pela empresa franqueadora de acordo com o tipo do negócio.

Há franquias de serviço, por exemplo, que cobram entre 4% e 10% do faturamento bruto de cada unidade. Ou franqueadores que são fabricantes do produto e pedem entre 20% e 40% das compras realizadas mensalmente.

De modo geral, as bases de cálculo de royalties de franquias mais usadas no mercado são:

  1. Percentual sobre faturamento: pagamento de um percentual sobre o faturamento bruto das vendas de cada franqueado;
  1. Cobrança de valor fixo: há a possibilidade da rede definir uma taxa fixa para ser paga periodicamente;
  1. Maior valor entre percentual e valor fixo: modelo híbrido, que determina um percentual sobre o faturamento bruto das vendas + um valor fixo;
  1. Cobrança com base nas compras de produtos para a revenda: quando a franqueadora fornece produtos ou insumos para o franqueado e a taxa é calculada em cima do valor da compra feita com a rede.

É importante entender os motivos dos valores cobrados por cada rede de franquia. Se for baixo demais, pode ser que a marca não tenha lucro e consiga arcar com as despesas de seu suporte.

Caso seja alto, dificilmente conseguirá expandir a empresa. Afinal, o preço pode assustar os varejistas. Uma dica estratégica é sempre procurar o valor dos royalties de franquias da concorrência.

Gostou de aprender sobre esse assunto? Então continue aprendendo mais sobre franquias com a F360, especialista no setor: Expansão de franquias: as 6 melhores dicas de como realizar!

Compartilhar
Avatar photo
Escrito por:

Carolina Ferrari

Gerente de marketing da F360

Você também pode se interessar por