pessoa fazendo conta
Finanças 15/08/2023

Tudo sobre faturamento: o que é, para que serve e como calcular?

Compartilhar Array

Se você confunde faturamento com lucro ou receita, está no texto certo! Afinal, apesar de bastante parecidos, esses termos possuem significados distintos. Quantas vezes já ouviu alguém dizer que “já faturou, mas ainda não recebeu o pagamento”?

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

Dessa forma, são nos detalhes que os conceitos se diferenciam, sendo todos de grande importância para a gestão financeira de uma empresa.

Vamos aprender melhor sobre esses indicadores, especialmente sobre o que é e para que serve o faturamento?

Continue a leitura deste guia completo e entenda:

  • O que é faturamento?
  • Para que serve o faturamento?
  • Qual a diferença entre receita, lucro e faturamento?
  • Cálculo do faturamento bruto x faturamento líquido
  • Dicas para o aumentar o faturamento da sua empresa
  • Como fazer um relatório de faturamento?

O que é faturamento?

O faturamento de uma empresa é um indicador financeiro que soma todas as receitas provenientes da venda de produtos e/ou serviços em um certo período. Ou seja, se você vende 100 produtos que custam R$200 cada, o faturamento mensal foi de R$20.000.

Apesar de um negócio ter fontes de recursos variadas, o faturamento representa a maior parte do capital obtido, sendo vital para mensurar os resultados e o sucesso corporativo.

Para que serve o faturamento?

O faturamento serve para acompanhar o desempenho das vendas do negócio. A partir dele, é possível prever os impostos que devem ser pagos ao governo, analisar os produtos/serviços com mais e menos saída, calcular o lucro, realizar projeções financeiras para os próximos meses e definir o porte da empresa.

Explicamos melhor sobre algumas dessas finalidades.

Previsão de impostos

O faturamento serve como base para calcular os valores dos impostos pagos ao governo. Afinal, eles variam de acordo com o regime tributário da empresa, que, por sua vez, possui taxas e regras de tributação distintas.

Definição do porte da empresa

Você sabe o que diferencia um MEI para um PME? É justamente o valor do faturamento da empresa! Ele é um critério que determina o tamanho do negócio, seu enquadramento jurídico e regime tributário.

  • Microempreendedor Individual (MEI): faturamento bruto de até R$81 mil por ano, com contratação de, no máximo, um colaborador ou estagiário.
  • Microempresa (ME): faturamento bruto de até R$360 mil ao ano, com até 9 colaboradores contratados para comércio e serviços e até 19 para a indústria. A companhia pode empregar, no máximo, 20 funcionários, e ter um ou mais sócios.
  • Empresa de pequeno porte (EPP): faturamento bruto anual entre R$360 mil e R$4,8 milhões; e entre 10 e 49 colaboradores para comércio e serviços e 20 e 99 para área de indústria ou construção.
  • Empresa de médio porte: faturamento acima de R$4,8 milhões, podendo chegar até R$20 milhões, de acordo com a Anvisa. Conforme o Sebrae, negócios de médio porte têm entre 50 e 99 funcionários para comércio e serviços, e entre 100 a 499 para indústria.
  • Empresa de grande porte: com faturamento anual maior do que R$20 milhões e mais de 100 colaboradores para comércio e serviços e 500 para indústria.

Regime tributário

Dependendo do faturamento anual da companhia, o regime tributário varia:

  • Simples Nacional: voltado para micro e pequenas empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões ao ano, possuindo alíquotas baixas (em alguns casos) e imposto unificado pago mensalmente;
  • Lucro Presumido: tributação simplificada para calcular os impostos conforme o cálculo prefixado pela lei, com margem de lucro específica com a atividade corporativa. Esse regime é válido para qualquer negócio que fature até R$78 milhões por ano;
  • Lucro Real: o cálculo dos impostos se baseia no lucro líquido, com cobrança proporcional do IRPJ e CSLL. Esse regime é obrigatório para quem fatura mais do que R$78 milhões anualmente ou não se enquadra em nenhum tipo de tributação simplificada.

Percebeu que o faturamento da empresa é essencial para escolher seu porte, regime tributário e realizar uma gestão financeira eficiente? Dessa forma, você não precisa pagar mais impostos do que deveria e ainda planejar as despesas com taxas e tributos.

Qual a diferença entre receita, lucro e faturamento?

As principais diferenças entre receita, lucro e faturamento são: o faturamento é uma previsão da quantidade de dinheiro que entrará no caixa, a receita é o total dos pagamentos realizados, e o lucro é a soma de todos os ganhos com desconto das despesas em um determinado período.

Por isso é comum ouvir de um varejista ou gestor que “já faturou, mas ainda não recebeu”. Isso porque caso aconteça uma venda de R$100 parcelada no cartão de crédito, o faturamento é de R$100, mas só a primeira parcela de R$25 no mês será recebida.

  • Receita bruta: total do dinheiro proveniente das vendas.
  • Receita líquida: valor da receita bruta com desconto dos impostos.

Porém, quando falamos sobre a definição contábil de receita e faturamento, esses termos são similares, já que representam a entrada de recursos ou redução de passivos, aumentando o patrimônio líquido da companhia.

Faturamento x lucro

Já o lucro é a soma das receitas menos os gastos em um certo período. E seu resultado é independente do faturamento: um negócio pode faturar bastante, mas ter despesas altas, o que prejudica a lucratividade.

  • Lucro bruto: receita total menos os custos variáveis 
  • Lucro líquido: dinheiro que sobra para os sócios e investidores. Ele é calculado pelo valor da receita total menos os custos totais (fixos + variáveis).

E é exatamente para elevar o lucro que é fundamental realizar uma gestão financeira completa, precisa e eficiente.

Leia também: Orçamento empresarial: elabore o seu em 7 passos!

Cálculo do faturamento bruto x faturamento líquido

O faturamento bruto equivale ao valor total dos produtos e/ou serviços vendidos (preço x quantidade), enquanto o líquido utiliza o faturamento bruto descontando as deduções de vendas e os impostos. Apesar de ambos contribuírem com a análise da saúde financeira corporativa, possuem finalidades diferentes.

Cálculo do faturamento bruto

A fórmula para calcular o faturamento bruto é simples: 

Faturamento bruto = preço de venda x quantidade vendida em determinado período

Ela pode ser usada para mensurar o faturamento mensal, trimestral, semestral ou anual, conforme suas necessidades.

Vamos a um exemplo? 

Se você vende 150 refeições, que custam R$28 cada, seu faturamento bruto é de R$4.200 no mês.

As deduções de vendas são as compras/os contratos cancelados e produtos devolvidos, e os impostos são os cobrados pelo governo, de acordo com o regime tributário da organização.

Confira um exemplo para compreender melhor:

Se você tem uma empresa com regime do Simples Nacional e paga 6% de impostos sobre as vendas e, no último mês, vendeu 150 refeições por R$28 cada, seu faturamento bruto foi de R$4.200.

Com o desconto de 6% dos impostos (R$25,20), o faturamento líquido é de R$4.174,80.

Porém, caso um cliente tenha cancelado a compra após uma entrega no pedido, é necessário incluir esse valor no cálculo. Suponhamos que dois consumidores tenham desistido, o que inclui o valor de R$56.

Nessa situação, o faturamento líquido será de R$4.118,80.

7 dicas para aumentar o faturamento da sua empresa

Para aumentar o faturamento (e o lucro), destacamos as seguintes dicas: analisar a situação financeira atual; monitorar suas receitas e despesas; precificar corretamente os produtos/serviços; aumentar a divulgação da marca; otimizar o processo comercial; avaliar a política de crédito e cobrança e investir na recompra.

Entenda, em detalhes, sobre cada uma dessas sete dicas.

1- Analise a situação financeira atual

É primordial entender como está a situação financeira da sua empresa antes de pensar em qualquer estratégia para elevar o faturamento e, claro, o lucro.

Para isso, calcule outros indicadores financeiros a fim de ter uma visão 360 graus do negócio:

  • quantidade de clientes;
  • capital de giro;
  • fluxo de caixa;
  • giro de estoque;
  • lucro e rentabilidade;
  • Custo de Aquisição de Clientes (CAC);
  • produtos/serviços mais vendidos;
  • ticket médio;
  • volume de vendas;
  • faturamento e receita;
  • ponto de equilíbrio financeiro;
  • entre outros.

Ao associar os resultados de todos os índices e taxas calculados, você pode identificar gargalos operacionais, gastos excessivos e/ou desnecessários, baixa produtividade, falta de treinamento de funcionários, investimentos em produtos/serviços que não são comprados, má reputação da marca no mercado, gestão financeira inadequada, etc.

Aprenda mais: Análise da performance financeira: conheça 13 indicadores

2- Monitore suas receitas e despesas

Acompanhe o seu fluxo de caixa para monitorar a segurança financeira e entender o que é preciso mudar. Se há boas entradas, mas o lucro é baixo, é provável que esteja gastando demais e necessite criar estratégias de redução de custos operacionais.

As medidas para cortar gastos incluem, por exemplo, negociação de valores e condições de pagamento com fornecedores, substituição de papéis físicos por softwares de gestão, terceirização de alguns serviços, implementação de home office ou modelo de trabalho híbrido etc.

3- Faça uma precificação adequada

Analise os preços de produtos e serviços e confira se estão abaixo dos cobrados no mercado. Caso seja preciso, refaça a precificação. Ela pode ser um dos fatores do baixo faturamento.

A precificação envolve diversos fatores tangíveis e intangíveis, como:

  • custos de produção;
  • custos de divulgação;
  • custos de entrega e/ou distribuição;
  • percepção de valor do cliente;
  • reputação da empresa no mercado.

Continue aprendendo: Estratégias de precificação: como escolher o melhor modelo de preços

4- Aumente a divulgação da marca

Se sua ideia é aumentar o faturamento da sua empresa, você precisa atrair mais clientes, certo? Por isso, invista no marketing tradicional e, principalmente, no digital para elevar as vendas e ampliar a retenção e fidelização de consumidores.

Estude seu público-alvo, melhore o atendimento ao cliente, forneça conteúdo útil e de alta qualidade, otimize seus canais de venda e mantenha contato próximo com o consumidor pelas redes sociais e e-mail marketing, por exemplo.

5- Otimize o processo comercial

Se o seu processo comercial não for bem-planejado e bem-executado, não haverá vendas. Logo, esse pode ser um dos gargalos que impedem o aumento do faturamento e da lucratividade corporativa. 

Para otimizar e refazer seu processo, analise as etapas atuais e estruture-as como deveriam ser. Inclua ações em cada etapa do funil de vendas e da jornada do consumidor para se conectar melhor com o público e realmente desenvolver um relacionamento com ele.

Uma dica é utilizar sistemas de gestão de clientes, como o CRM, que acompanha o comportamento do consumidor no seu negócio, permitindo atrair, conquistar e fidelizar mais pessoas. O que resulta em faturamento mais alto!

6- Avalie suas condições de pagamento

Outra dica de como aumentar o faturamento é: avalie se as condições de pagamento e política de crédito e cobrança são compatíveis com suas necessidades de capital de giro. Principalmente se você vende a prazo.

Adotar uma boa política de crédito e cobrança ajuda a:

  • controlar as receitas e evitar inadimplências;
  • realizar análise de crédito detalhada dos clientes;
  • definir prazos de pagamento que atenda às necessidades do seu negócio;
  • monitorar o que foi faturado, mas ainda não foi recebido.

7- Invista na compra recorrente

Sabe quando você gosta muito de um restaurante e pede sempre a pizza do mesmo sabor porque simplesmente se apaixonou? Isto acontece com todos seus clientes. Por isso é essencial focar na retenção e fidelização do público.

E várias estratégias podem ser adotadas, como oferecer uma excelente experiência a ele, proporcionar bom atendimento, entregar produtos/serviços de qualidade e investir em ações que melhorem o relacionamento com o cliente, como cartão fidelidade, ofertas especiais e práticas de cross-sell e upsell.

O objetivo principal para elevar o faturamento e o lucro aqui é aumentar a taxa de retenção de clientes e o Lifetime Value e reduzir o Custo de Aquisição de Clientes (CAC).

Como fazer um relatório de faturamento?

Para fazer um relatório de faturamento, é necessário definir o período analisado e somar todas as receitas geradas pela venda de produtos e/ou serviços da sua empresa. Caso deseje calcular o faturamento líquido, pegue o valor do faturamento bruto e reduza impostos e deduções de vendas, se houver.

Para evitar erros e calcular rapidamente os resultados, o ideal é contar com o suporte de um sistema de gestão financeira. O F360 Finanças, por exemplo, oferece diversos recursos para controlar os gastos e as despesas, como:

  • fluxo de caixa;
  • contas a pagar e a receber;
  • DRE;
  • conciliação bancária;
  • planejamento orçamentário;
  • integração com PDV e adquirentes;
  • conciliação com vouchers.

O acompanhamento do seu faturamento mensal fica muito mais preciso e ágil. Afinal, todas as vendas por cartão, aplicativos ou outros canais são integradas em um só local, gerando relatórios de faturamento completos.

Inscreva-se e faça uma demonstração gratuita do software F360 Finanças!

Compartilhar Array
Avatar photo
Escrito por:

Tálita Gonçalves

Redatora e analista de conteúdo F360