cmv (custo da mercadoria vendida)
Finanças 16/02/2024

O que é e como calcular o CMV (Custo de Mercadorias Vendidas)?

Compartilhar Array

Se você vende qualquer tipo de produto, é fundamental saber tudo sobre o indicador CMV ou Custo de Mercadorias Vendidas. Isso porque ele está diretamente associado à precificação e, consequentemente, ao faturamento da sua loja.

Não basta acompanhar os preços estipulados pela concorrência e achar que são os ideais para você. É necessário entender quanto custa cada produto para ajustar uma margem de lucro benéfica para o crescimento do seu negócio.

Percebeu a importância de dominar este assunto? Por isso, preparamos este guia completíssimo explicando o que é CMV, para que serve, como funciona, como calcular e ainda exemplos para absorver melhor sua aplicação prática. 

Boa leitura!

O que é CMV?

CMV ou Custo de Mercadorias Vendidas é um indicador referente ao preço de custo do produto. Ele soma todas as despesas diretas de compra e/ou produção e armazenamento até que o item seja vendido durante determinado período. Portanto, é essencial para calcular o lucro bruto da empresa e fazer o balanço contábil do ano.

Se você tem uma loja de sapatos, por exemplo, e compra os produtos prontos, é necessário reduzir o valor dos custos diretos do preço da venda para entender o real lucro recebido pela mercadoria. E esse resultado é justamente o CMV. 

E o que são esses custos diretos? Eles envolvem as despesas que podem ser rastreadas até um produto, como materiais, mão de obra, comissões de vendedores, estoque, transporte, impostos, armazenagem, fornecedores, seguros, entre outros.

Enquanto os custos indiretos são considerados os gastos difíceis de rastrear até a mercadoria, como limpeza da empresa, material de escritório, aluguel do espaço, conta de internet, etc.

Para que serve o CMV?

O Custo de Mercadorias Vendidas serve para calcular o lucro bruto recebido pela venda dos produtos em determinado período. Logo,  revela se o preço aplicado e o volume de vendas são os ideais para rentabilizar a atividade comercial.

Além disso, esse indicador é usado para fazer o DRE (Demonstrativo de Resultado do Exercício) e determinar os preços do mix de produtos da loja.

Portanto, para compreender para que serve o CMV, é vital ter em mente que o preço de venda para o cliente deve ser sempre maior que o de compra para obter lucratividade.

Como funciona o CMV?

O CMV é um indicador de performance operacional que mensura o quanto é gasto para uma empresa manter sua atividade principal, ou seja, a venda de produtos. Dessa forma, reflete diretamente o andamento da gestão do negócio, como o controle do estoque, da logística e das finanças.

Na prática, podemos explicar como funciona o CMV por meio do lucro bruto e líquido do negócio.

Ele funciona como uma ponte indispensável para se chegar ao lucro bruto da empresa durante certo período, que é geralmente de um ano. Ao subtrair o valor total das vendas do Custo de Mercadorias Vendidas, é possível encontrar o rendimento.

E, ao subtrair o lucro bruto das despesas fixas e variáveis, há o resultado do lucro líquido.

Qual a importância do Custo da Mercadoria Vendida?

Como já dissemos, esse indicador é essencial para compreender a situação financeira da empresa e o que precisa ser mudado para que o negócio siga crescendo e prosperando.

O CMV também é importante para analisar a eficiência do controle do estoque. Afinal,  evitar a perda de vendas por danos à mercadoria e o aumento de custos é uma prática essencial para manter um item durante um período longo.

Isso porque ter problemas no estoque impacta o capital de giro do comércio, já que é preciso gastar muito para manter os produtos armazenados.

Outro benefício é a possibilidade de usar esse indicador como base de estratégias para reduzir custos operacionais, como negociação com fornecedores, e elevar a receita sem impactar o preço do item para o cliente final.

Em outras palavras, o CMV é fundamental para manter suas finanças em dia e criar estratégias de crescimento escalável e sustentável ao longo dos anos.

Continue aprendendo: 5 erros de gestão financeira no varejo que prejudicam sua eficiência

Como calcular o Custo de Mercadorias Vendidas?

Se você é um varejista que revende produtos prontos comprados de fornecedores e/ou de fabricantes, o cálculo do CMV é indispensável para uma boa gestão financeira. Afinal, sua atividade envolve, de modo geral, a compra e venda de mercadorias.

E para calcular esse indicador é possível usar duas bases:

  • Inventário Permanente: é quando o valor do estoque é atualizado regularmente sempre que um produto entra ou sai.
  • Inventário Periódico: o valor do estoque é atualizado periodicamente, que pode ser semanal, quinzenal, mensal, trimestral, semestral ou anualmente.

Dito isso, conheça agora a fórmula básica e como calcular o Custo de Mercadorias Vendidas em determinado período, de acordo com seu objetivo:

CMV = EI + C – EF

Sendo que:

  • EI: estoque inicial
  • C: compras realizadas
  • EF: estoque final

Se o seu objetivo for identificar o custo dos produtos vendidos em determinado período, usa-se exatamente essa fórmula, com valor do estoque inicial somado ao das compras feitas, sendo reduzido o resultado do estoque atual.

Isso porque não faz sentido incluir no cálculo os itens que não foram comercializados, logo, é fundamental contabilizar o estoque final para obter o CMV.

Precisamos destacar aqui que essa fórmula pode ser usada de duas formas. Entenda melhor a seguir!

CMV por produto

Chamado de CMV por produto ou por mercadoria, esse cálculo segue a fórmula indicada acima: CMV = EI + C – EF.

Seguindo nossa referência à loja de sapatos, veja um exemplo de cálculo do CMV:

  • a loja tinha 100 pares de sapatos no começo do mês (EI);
  • comprou mais 100 para deixar o estoque preparado (C);
  • no fim do mês, a loja ficou com 50 pares (EF).

Logo:

  • CMV = EI + C – EF
  • CMV = 100 + 100 – 50
  • CMV = 150

De modo geral, o CMV por mercadoria mostra um balanço de estoque, deixando de fora os custos envolvidos das mercadorias desde a aquisição até a venda.

Uma dica é usar esse método de cálculo para descobrir os produtos mais e menos vendidos e, assim, elaborar um bom planejamento de compras, vendas e marketing, por exemplo. O objetivo aqui é entender a rotatividade do estoque para evitar perder vendas ou ter custos elevados de armazenamento.

CMV por faturamento

Já o CMV por faturamento (ou por saldo monetário) considera quanto cada produto custou, de fato, à empresa.

Seguindo nosso exemplo de CMV anterior (por produto), acrescentamos que o custo médio de compra de um par de sapato é de R$50. Esse valor deve ser multiplicado por cada fator da fórmula, como estoque inicial, compras e estoque final.

Sendo assim, o cálculo é feito da seguinte forma:

  • CMV = EI + C – EF
  • CMV = R$ 5.000 + R$ 5.000 – R$ 2.500
  • CMV = R$7.500

Logo, a cada 150 pares de sapatos vendidos, o custo para a loja é de R$7.500.

Para saber se houve lucro nessa transação, é necessário inserir o preço de cada mercadoria usando a fórmula: RCM = V – CMV. Sendo que o RCM é o Resultado da Conta de Mercadorias e o V é Vendas.

Se o preço de venda de 150 pares de sapato foi de R$8.250, o cálculo é feito assim:

  • RCM = V – CMV
  • RCM = R$8.250 – R$7.500
  • RCM = R$750.

Portanto, a empresa teve um lucro de R$750 com a venda de 150 pares de sapatos.

Lembramos que essas fórmulas são mais básicas. Isso porque você pode adicionar outros custos diretos, como devoluções de clientes, impostos, seguros, frete/transporte, gastos com estoque e mais.

A boa notícia é que um bom sistema de gestão financeira  faz esse cálculo de forma complexa, inserindo todos os fatores necessários para definir o custo de produção e o lucro.

Qual é o CMV ideal?

É normal sentir dúvidas e se perguntar qual é o CMV ideal para a sua loja. Porém, sentimos muito em dizer que não há uma resposta definitiva. Afinal, o resultado adequado varia de acordo com o tamanho da loja, os produtos comercializados e o setor de atuação.

Entretanto, um fato existe: quanto menor o valor desse indicador, melhor!

E o que quer dizer um CMV alto? Bem, que a loja está tendo pouco lucro e custos elevados e, por isso, é urgente criar estratégias para reduzir os gastos operacionais.

Em outras palavras, quanto menor o CMV, maior será o lucro bruto do negócio. E, quanto maior, menor será sua lucratividade.

Existem marcas com boa saúde financeira que possuem margens de lucro baixas. Contudo, apesar do lucro ser pequeno por mercadoria, o seu volume de vendas é altíssimo – o que compensa no final.

Já outras lojas têm margens de lucro alta e baixo volume de vendas, e, por isso, o valor do seu CMV muda.

Para varejistas que revendem mercadorias compradas prontas, especialistas indicam que o CMV ideal é entre 30% e 50% do seu faturamento. Se for maior que 50%, é preciso ter cuidado, pois é sinal de prejuízo.

O que não considerar no cálculo do CMV?

Agora que falamos todos os fatores que podem ser levados em conta para determinar esse indicador, chegou o momento de mostrar o que não considerar no cálculo do CMV. Assim, é fácil eliminar vários custos logo de cara e não errar nos resultados!

O ideal é entender quais são os custos diretos e indiretos do seu negócio, até porque os itens incluídos em cada um deles variam conforme as normas contábeis locais.

De modo geral, o cálculo do CMV não inclui quaisquer custos indiretos relacionados ao produto. Veja alguns exemplos de quais são eles:

  • impostos sobre as vendas, como PIS, Cofins e ICMS;
  • custos administrativos: despesas fixas como aluguel, telefonia, internet, luz, água etc;
  • despesas operacionais, como frete;
  • despesas financeiras: juros sobre empréstimos;
  • custos com vendas, como comissões de vendedores e marketplace. 

É importante definir quais são esses gastos indiretos para encontrar o lucro líquido: basta reduzir esse resultado do valor do lucro bruto.

Aprenda mais: Estratégia de precificação: como escolher o melhor modelo de preços?

Por que o CMV é essencial para a gestão financeira?

Agora que você entendeu o que é e como calcular o Custo de Mercadorias Vendidas, já deve ter compreendido sua importância para a gestão financeira de qualquer comércio, grande ou pequeno, certo?

Sem ele, não é possível identificar pontos de melhorias e agir para reduzir custos ou até mesmo elevar a precificação do mix de produtos. Logo, esse indicador é indispensável para fazer um bom planejamento financeiro a fim de elevar o lucro de forma escalável ao longo do tempo.

Isso sem falar que ele é encontrado na Demonstração de Resultado do Exercício (DRE), documento contábil primordial para uma gestão adequada das finanças, que revela o lucro bruto e líquido da empresa em determinado período.

Portanto, o CMV não é um indicador de vaidade, ele é extremamente útil para a marca controlar seu estoque, entender os produtos mais e menos vendidos e adotar práticas para reduzir custos e elevar o lucro. E até mesmo para decidir se vale a pena colocar uma mercadoria em promoção!

Quando preciso calcular o CMV?

Outra dúvida bastante comum é o intervalo de tempo para calcular o CMV. E, mais uma vez, respondemos que depende do seu objetivo e da variação do preço de compra com seus fornecedores.

Porém, o ideal é ter um software de gestão financeira completo que faça esses cálculos de forma automatizada e em tempo real. Assim, em poucos cliques, você acessa todas as informações importantes da loja.

O F360 Finanças é o sistema ideal para você, varejista, acompanhar de forma completa cada detalhe das suas vendas. Com sistema responsivo e a possibilidade de cadastrar mais de um negócio, ele oferece recursos extremamente valiosos, como:

  • DRE customizável, que permite visualizar segmentos por tipo de marcas, grupos e diversos negócios;
  • fluxo de caixa: entradas e saídas financeiras;
  • conciliação bancária e de cartões;
  • contas a pagar e a receber;
  • integração com mais de 500 PDVs e 150 adquirentes;
  • e muito mais!

Faça agora uma demonstração gratuita do F360 Finanças e saiba como ele ajuda a calcular o CMV e outros indicadores essenciais para sua gestão financeira ser de alto nível!

Compartilhar Array
Avatar photo
Escrito por:

Maurício Galhardo

Head e curador do F360 Educa, apaixonado por finanças, autor de três livros de negócios e gestão financeira, com ampla experiência em treinamentos e palestras. Já treinou mais de 20 mil pessoas no varejo!