homem bipando caixas para envio
Franquias 01/07/2024

Como funciona o cross docking? Vale a pena para franquias?

Compartilhar Array

Se você trabalha com vendas on-line, descobrir como funciona o cross docking pode mudar totalmente o tempo da entrega dos produtos para os seus clientes. Isso porque esse sistema logístico diminui etapas e, dessa forma, otimiza o prazo de envio.

Traduzindo para o português, esse termo significa “cruzamento de docas”. Ele foi inspirado na logística portuária, na qual as mercadorias que chegam pelos navios são rapidamente despachadas em veículos para os seus destinos, não passando por armazéns, ou ficando pouco tempo  nesses lugares.

Pensando por que uma técnica usada em um segmento tão diferente do setor varejista pode ser interessante para o seu negócio? Um dos principais motivos é que, por reduzir o tempo de entrega, essa estratégia ajuda a melhorar o relacionamento com os clientes, pois torna sua loja mais interessante para eles.

A verdade é que existem várias outras vantagens do cross docking no varejo. Confira agora quais e como implementar na sua franquia.

O que é cross docking?

Cross docking é nome dado a um sistema logístico que tem como principal característica o envio de produtos diretamente do fornecedor para os centros de distribuição (CD), e desses locais para o comprador, sem passar pelo vendedor ou ficar muito tempo em armazéns. 

O principal objetivo dessa estratégia é reduzir o período que as mercadorias ficam paradas em estoque, pois isso gera custos para os varejistas, principalmente quando esses espaços são alugados. 

Essa dinâmica também deixa o negócio mais interessante para os clientes porque elimina, ou ao menos diminui, etapas no fluxo de entrega, permitindo que o produto seja enviado em menos tempo.

Dica de leitura: “Gestão de lojas e PDVs: estratégias para elevar a sua performance

Como funciona o cross docking?

Esse modelo de entrega funciona a partir de três subdivisões, que são:

  • movimentação contínua: considerado o modelo tradicional desse sistema logístico, nele o produto não passa pelo estoque, pois segue um fluxo direto de chegada e envio ao destinatário; 
  • movimentação híbrida ou consolidada: acontece quando o centro de distribuição aguarda o recebimento de todas as mercadorias que serão enviadas para um mesmo cliente, processo bastante comum em marketplaces;
  • movimento de distribuição: voltado para o mercado B2B, é utilizado quando o veículo de envio dos itens é carregado com produtos ou matéria-prima para uma única empresa compradora.

Somado a essas separações, o cross docking também tem como base de funcionamento os chamados stages, ou toque, em português. Esse critério se refere a quantas vezes um determinado item é movimentado dentro do CD.

No caso, eles podem ser:

  • one-touch (um toque): quando há somente uma transferência, feita entre o veículo que trouxe o produto e o que o levará para o consumidor final;
  • two-touches (dois toques): a mercadoria ficou em uma área de espera entre a chegada no centro de distribuição e o despacho para o comprador.

Outras duas importantes características de funcionamento são:

  • tipos de horário de chegada:
    • concentrado: quando há somente um horário de entrega dos itens ao CD;
    • disperso: quando há mais de um horário, ou eles não são fixos, podendo acontecer a qualquer tempo.
  • tipos de horários de saída:
    • restrito: há horários específicos para a saída das mercadorias do CD;
    • não-restrito: a movimentação é livre, e a hora de saída está condicionada ao recebimento de todos os produtos.

Aproveite e leia também: “PEPS, UEPS e MPM: qual a diferença entre essas metodologias?

Cross docking é o mesmo que dropshipping?

Agora que você sabe o que é e como funciona o cross docking, deve estar imaginando que esse sistema e dropshipping são iguais, não é mesmo? Porém, é fundamental ter em mente que são processos logísticos diferentes.

Em ambos os casos, o produto vendido não passa pelo vendedor. Porém, a semelhança para por aí. Isso porque no cross docking o centro de distribuição faz parte do fluxo de entrega, já no dropshipping não. 

Nesse segundo sistema, as mercadorias são enviadas pelo fornecedor diretamente para o comprador, a partir da confirmação de venda emitida pelo varejista. Além disso, a empresa fornecedora  é responsável pela estocagem, qualidade e cuidado com os itens comercializados.

7 vantagens do cross docking no varejo

Quando demos a explicação inicial sobre como funciona o cross docking, dissemos que esse sistema logístico é bem vantajoso para o varejo, se lembra? Pois bem, ao adotá-lo, sua loja, alguns dos benefícios que poderá alcançar são:

  1. eliminação de gastos com estoque, mão de obra e contratação de sistemas para gerenciar esse espaço;
  2. redução do tempo de entrega, deixando o seu negócio muito mais atrativo e interessante para os clientes;
  3. não precisar se preocupar em manter a qualidade e a integridade dos produtos, seja no manuseio ou na entrega;
  4. diminuição do risco de ruptura de estoque, que pode comprometer o relacionamento com os consumidores e levar a importantes perdas financeiras;
  5. melhora na rastreabilidade das mercadorias sem precisar investir em softwares para isso;
  6. estruturação de estratégias para operações logísticas eficientes, dinâmicas, precisas e otimizadas;
  7. chance de expandir sua franquia sem elevar os custos com estoque e entrega.  

E quais são os desafios na integração de cross docking?

Agora que você sabe como funciona o cross docking, e conhece as principais vantagens desse sistema, possivelmente o interesse de implementá-lo na sua loja deve ter despertado em você, acertamos? 

Antes de falarmos sobre isso, precisamos explicar que existem alguns desafios nessa dinâmica que merecem a sua atenção.

A sincronização entre fornecedores e centro de distribuição, por exemplo, deve ser perfeita, ou o mais próximo disso que for possível. Somente dessa forma é possível evitar atrasos nas entregas que afetam negativamente a experiência dos clientes.

Outro ponto é a localização. Idealmente, o CD precisa estar próximo do seu público-alvo, também para não comprometer os prazos de entrega combinados com os compradores.

Como implementar o cross docking na sua loja? 5 dicas!

Para o processo de implementação de cross docking em franquias gerar os resultados esperados, as melhores práticas que podem ser adotadas são:

  1. uso de diferentes tecnologias para otimização do fluxo de vendas e logístico, principalmente um ERP (Enterprise Resource Planning), que é um sistema que integra diferentes áreas de um negócio;
  2. contratação de fornecedores confiáveis, que cumprem com precisão os prazos e entregam mercadorias com qualidade, e um centro de distribuição com as mesmas características;
  3. serviço de atendimento ao cliente rápido e preciso, com envio de respostas no menor tempo que for possível;
  4. equipe devidamente treinada para gerenciar as atividades entre todos os envolvidos nessa dinâmica;
  5. acompanhamento dos resultados para identificar o que está dando certo e o que ainda precisa de ajustes.

Gostou de saber como funciona o cross docking? Então aproveite que está aqui, no blog da F360, e confira outras dicas que ajudarão sua franquia a crescer, como as que trouxemos no artigo: “Automação financeira: por que investir nessa estratégia?

Compartilhar Array
Avatar photo
Escrito por:

Henrique Carbonell

CEO & CoFounder at F360 - Franchisee at O Boticário. Formado em Administração de Empresas pela Fundação Alvares Penteado - FAAP e pelo Ibmec Business School / IBMEC - SP.